Baterias

O uso e descarte de pilhas e baterias na sociedade se tornaram abundantes.

De acordo com dados publicados em 2003, o consumo de pilhas e baterias no Brasil chegou a cinco unidades ao ano por pessoa. Isso aplicado a população mundial, gera um consumo de dez bilhões de unidades ao ano.

Com este número grande de fabricação, onde vão parar todo esse produto quando é descartado?

Quando descartado em lixo doméstico, esse material vai parar no aterro sanitário e isso acaba prejudicando o meio ambiente, pois elas liberam componentes tóxicos, como cádmio, chumbo e mercúrio, que contaminam o solo, os cursos d’agua e os lençóis freáticos.

A Resolução n° 257/99 do CONAMA resolve em seu artigo primeiro:

“As pilhas e baterias que contenham em suas composições chumbo, cádmio, mercúrio e seus compostos, necessário ao funcionamento de quaisquer tipos de aparelhos, veículos ou sistemas, móveis ou fixos, bem como os produtos eletroeletrônicos que os contenham integrados em sua estrutura de forma não substituível, após seu esgotamento energético, serão entregues pelos usuários aos estabelecimentos que as comercializam ou à rede de assistência técnica autorizada pelas respectivas indústrias, para repasse aos fabricantes ou importadores, para que estes adotem diretamente, ou por meio de terceiros, os procedimentos de reutilização, reciclagem, tratamento ou disposição final ambientalmente adequado”.

Também, a legislação brasileira (Art.33 da Política Nacional de Resíduos Sólidos) obriga empresa fabricante a estruturarem e implementarem sistemas de logística reversa.

A Reciclagem deste tipo de produto consegue recuperar quase 100% do material. Para a sua recuperação, as pilhas e baterias passam pelos seguintes processos: triagem, trituração, processo químico e processo térmico.