Embalagens de agrotóxicos

Diferentemente de qualquer outra embalagem plástica, as embalagens vazias de agrotóxicos, não podem ser reutilizadas no uso doméstico, pois, o produto que está na embalagem é nocivo à saúde. Seu manejo requer muita atenção e cuidado, e o descarte das embalagens não pode ser realizado em lixo comum, mas sim destinadas a um local específico.

No Brasil há ao total de 421 unidades que recebem essas embalagens usadas. Desde 2002, quando houve a regulamentação da lei federal, o impacto ambiental e a emissão de CO2 já foram reduzidos. O Brasil lidera o ranking mundial no recolhimento das embalagens de agrotóxicos vazias.

As embalagens que são recicladas transformam-se em vários materiais, como tubos de fiação, cabos subterrâneos, cabos para irrigação e conduítes e até mesmo novas embalagens para as próprias fábricas de agrotóxico.

O processo da reciclagem é realizado da seguinte maneira:

Primeiramente o agricultor realiza a tríplice lavagem da embalagem com água limpa, depois leva as embalagens já lavadas até um posto de recebimento, essas embalagens ficam armazenadas nos postos em local seco e seguro. O INPEV vai até os postos de recebimento e recolhem as embalagens vazias e encaminha elas para as centrais de triagem. Chegando a triagem as embalagens são prensadas ou trituradas, dependendo do seu tipo de material. Após a triagem esses resíduos são transportados para as indústrias recicladoras e para os incineradores licenciados, transformando-se assim em novos materiais.