Óleo e Graxa

Após sua utilização ou com o tempo também, o óleo perde suas propriedades ótimas e acaba por não servir mais ao consumidor, tornando-se em um resíduo perigoso, portanto não deve ser considerado como rejeito e descartado de forma imprudente como no ralo da pia, pois isto causa impacto no meio ambiente e também em nossa saúde. Conforme a Sabesp, um litro de óleo de cozinha pode contaminar cerca de 20 mil litros de água do rio.

Assim como o óleo de cozinha, o óleo lubrificante, utilizado em automóveis, também deve ser reaproveitado. Estima-se que apenas 24% do óleo lubrificante no Brasil é reutilizado. Em média, a cada 1 bilhão de litros de óleo consumidos no Brasil, apenas 250 milhões vão para a reciclagem. Apesar de ser tóxico, ele pode ser ainda reutilizado, pois contém cerca de 85% do óleo lubrificante básico.

Com o processo de reciclagem chamado rerrefino, o produto pode ser utilizado como matéria-prima de outros produtos, e ainda traz muita economia para o produtor de óleo, pois não há a necessidade de extração a partir do petróleo e a sua importação.

No processo do rerrefino o combustível é separado do óleo, que é destilado para remoção do corte lubrificante, o qual passa pelo processo de estabilização. Mistura-se então aditivos ao produto para a fabricação de novos produtos com específicas finalidades, destinados a venda logo após passarem pelos testes de qualidade e pureza.

A Resolução nº 362/2005 do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA, trata o rerrefino como destino obrigatório dos óleos lubrificantes usados ou contaminados.